A Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA): causas e tratamento

Você sabe o que é a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA) e como ela afeta pacientes? Confira o nosso artigo e conheça as informações mais importantes sobre essa condição!

O que é a SDRA?

A síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) é um tipo de insuficiência (ou edema) pulmonar, causada por uma lesão alveolar secundária a um processo inflamatório. Essa síndrome é caracterizada principalmente pela falência respiratória e a hipoxemia aguda, ou seja, a falta de oxigênio no sangue arterial.

De acordo com a Sociedade Europeia de Medicina Intensiva, a SDRA pode ser resultante de diversas doenças que causam acúmulo de líquidos nos pulmões e redução dos níveis de oxigênio no sangue, e pode ser classificada como leve, moderada ou grave, sendo a categoria de gravidade determinada de acordo com os níveis de oxigênio presentes no sangue do paciente.

Os pacientes que sofrem de SDRA são usualmente tratados em unidades de tratamento intensivo (UTI’s), pois não raramente eles podem necessitar da aplicação de ventilação mecânica.

Quais são os sintomas da SDRA?

Apesar da Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo começar a se desenvolver rapidamente – em cerca de um a dois dias após a lesão ou surgimento da doença que está causando a SDRA – os seus sintomas podem demorar de 4 a 5 dias para se manifestar, e entre eles, os mais comuns são:

  • Falta de ar;
  • Respiração rápida e superficial;
  • Sons crepitantes ou chiados nos pulmões;
  • Pele mosqueada ou azul por causa dos níveis baixos de oxigênio no sangue;
  • Frequência cardíaca elevada, ritmos cardíacos anormais (arritmias), confusão e sonolência também podem ser identificados devido ao mau funcionamento do coração e do cérebro em decorrência da falta de oxigenação.

Quais são as causas da SDRA?

É importante lembrar que qualquer doença que lesione os pulmões pode causar a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo, contudo, a maior parte dos pacientes que desenvolvem a SDRA são acometidos por infecções graves, sepse ou pneumonia. Outras causas bastante comuns que resultam na síndrome são:

  • Queimaduras;
  • Lesões do tórax;
  • Afogamento;
  • Inflamação do pâncreas (pancreatite);
  • Inalação de grandes quantidades de fumaça ou outros gases tóxicos;
  • Overdose de determinadas drogas ou medicamentos, como heroína, metadona, propoxifeno ou aspirina;
  • Pressão arterial baixa prolongada ou grave;
  • Embolia pulmonar;
  • Acidente vascular cerebral ou convulsão.

COMO A POSIÇÃO PRONA AJUDA NO TRATAMENTO DA SDRA?

Uma das técnicas mais utilizadas nos tratamentos de pacientes com SDRA é a posição prona, uma manobra que consiste no posicionamento do paciente em decúbito ventral, o que ajuda a distribuir de forma mais uniforme o estresse e a tensão pulmonar, melhorando a troca gasosa, a ventilação/perfusão da mecânica pulmonar e da parede torácica! Como a posição prona é possível:

  • Redistribuir a ventilação alveolar e da perfusão, o que causa a melhora da oxigenação.
  • Limitar a abertura e colapso cíclicos alveolares, apontados como um dos causadores das lesões induzidas pela ventilação mecânica.
  • Diminuir o colabamento alveolar com melhora da complacência pulmonar, anulando a ação do peso pulmonar.

A posição prona então atua para melhorar a oxigenação arterial e também pode ser uma grande aliada para diminuir a lesão pulmonar induzida pela ventilação mecânica, sendo muitas vezes recomendado que ela seja utilizada o mais rápido possível, imediatamente após o diagnóstico da SDRA ou da lesão pulmonar aguda!

QUAIS SÃO OS EFEITOS FISIOLÓGICOS DA POSIÇÃO PRONA?

O maior efeito decorrente do uso da posição prona é o aumento da oxigenação em pacientes com SDRA, e essa melhora na oxigenação se deve a diversos fatores que podem ocorrer isolados ou associados.

Um dos maiores fatores para a melhora da oxigenação é a distribuição da pressão transpulmonar, que se torna mais homogênea em comparação com a posição supina (quando o indivíduo está de face para cima). Apesar de não existir uma explicação exata para o porquê a distribuição de pressão transpulmonar se comporta desta forma na posição prona, existem diversos fatores que podem explicar essa alteração. São eles:

Peso pulmonar: O edema pulmonar faz o peso do pulmão aumentar, e esse processo, somado à pressão natural da gravidade, causa o colapso das regiões dependentes. Quando colocado em posição prona, a ação do peso pulmonar na região dorsal do paciente é anulada.

Massa cardíaca: Normalmente, o peso de nosso coração sobre regiões dependentes do pulmão diminui o gradiente de pressão transpulmonar, facilitando o seu colabamento (ou seja, o contato entre as paredes pulmonares que, em estados normais, devem estar separadas). Na posição prona, apenas uma pequena fração de ambos pulmões fica sob efeito do peso cardíaco, diminuindo a chance de colabamento alveolar.

Alteração da mobilidade diafragmática e desvio cefálico do conteúdo abdominal: Em geral, o movimento do diafragma é uniforme, mas, na posição prona, ocorre uma maior movimentação da região dorsal, pois a compressão do diafragma pelos órgãos abdominais se torna menor. Além disso, o peso do conteúdo abdominal fica repousado sobre a superfície do leito, diminuindo o desvio do diafragma.

Configuração da caixa torácica: Ao colocar o paciente em posição prona acontece a configuração da caixa torácica, que assume uma forma mais retangular do que triangular, característica da posição supina. Essa forma mais triangular favorece a diminuição da formação de atelectasia, que é o colapso completo ou parcial do pulmão ou de uma seção do pulmão.

COMO REALIZAR A POSIÇÃO PRONA DE FORMA SEGURA?

Para a realização da manobra prona de forma segura é muito importante o envolvimento de uma equipe multidisciplinar treinada e capacitada para conduzir o procedimento. Normalmente, essa equipe é composta por médico, enfermeiro, técnico de enfermagem e fisioterapeuta, e cada um têm responsabilidades e tarefas definidas para a realização da manobra com segurança, garantindo que ela apresente benefícios para o paciente.

Para saber mais sobre posição prona segura e todas as vantagens que podem ser obtidas com a utilização dessa manobra você pode conferir todas as informações mais importantes incluindo benefícios, cuidados pré e pós-manobra, contraindicações e produtos adequados para a realização da prona segura com um de nossos especialistas na Comercial 3Albe. Estamos à disposição para te atender e conversar sobre as necessidades da sua instituição!

Start typing and press Enter to search

Shopping Cart

Nenhum produto no carrinho.